terça-feira, 26 de agosto de 2014

Nunca serão! Jamais serão!

O título deste post, à maneira do Capitão Nascimento, encerra uma verdade que repito à exaustão. Explico.

Tentar formar um tradutor em universidades e cursos é uma estrondosa perda de tempo e dinheiro (de quem "ensina" e de quem "aprende"). Tradutor tem que chegar pronto ao mercado, montado em seu talento natural. Tradução não se ensina, e ponto final!

Ou o sujeito tem aptidão natural para tradução ou não tem. Se não tem, nunca terá. Vocês acham que uma escolinha de futebol é capaz de "fabricar" um Pelé, um Puskas, um Di Stefano? Guri de escolinha é sempre perna-de-pau! Pelés se formam nos campinhos, nas calçadas e de pés descalços, no chão puro.

Tradutores de talento se formam no trabalho quieto, silencioso e guardado nas gavetas; se formam no estudo sério e diário de um (ou mais idiomas); se formam na leitura e imitação do estilo dos autores clássicos.

Tradutores e "chutadores de bola" formados em escolinhas (ou Faculdades) não se criam comigo. São ruins e pronto.