quinta-feira, 19 de novembro de 2015

Pérolas da tradução de sites (1)

Amiguinhos, é impressionante como as empresas cagam e andam para a qualidade dos textos e das interfaces dos seus sites.

Vamos ver se os amáveis leitores conseguem encontrar o erro de tradução nesta página do conceituadíssimo PayPal.



Um tradutor realmente bom é aquele capaz de enxergar o "esqueleto" do texto quando sabe que se trata de uma tradução/localização. Este é um caso muito interessante, pois indica que o PayPal recorreu a uma TM (memória de tradução) "contaminada", mal aplicada, ou simplesmente a uma tradução de máquina com pós-edição feita nas coxas.

Atentem para a palavra "Declaração" (embaixo de "Detalhado"), na parte direita da captura de tela.

Ora, a página em questão serve para verificar tudo o que foi feito numa determinada conta, detalhando cada operação.

Desde que eu era criança pequena lá no Brooklin (de São Paulo, bien entendu), uma lista de atividades numa conta (bancária, de cartão de crédito, de telefone, etc.) se chama EXTRATO. Acontece que a página usa a palavra "Declaração". E aí? Terminologia nova? Não, simples e puro erro de tradução. Explico.

Em inglês, o termo usado para indicar a lista de atividades de uma conta é STATEMENT, que, em determinados contextos, pode também ser traduzido como "declaração".

Como é pule de dez que o PayPal recorre a memórias de tradução gigantescas para localizar seus sites, em algum momento o termo "statement" foi traduzido (corretamente) como "declaração" e, quando a ferramenta de CAT (Computer-Aided Translation) passou por esse termo, nem pestanejou e lascou "declaração" como um "100% Match", e isso passou batido pela revisão incompetente.

Estão vendo de onde saem muitos dos erros crassos que vemos em interfaces de sites, amiguinhos?

quarta-feira, 18 de novembro de 2015

Como ganhar clientes e perder dinheiro. Pergunte como.

...e tem aquela do papagaio e da loira, mas antes vou contar a da agência de tradução que recebe um job de tradução de alemão para português (texto técnico pacas, área automotiva), manda pro cliente um orçamento pelo número de palavras do TEXTO ORIGINAL e paga ao tradutor pelo número de palavras do TEXTO TRADUZIDO.

Sim, amiguinhos. É verdade. Isso existe! O cliente paga por "Abgasdrucksensor" (1 palavra) e a agência paga ao tradutor "sensor de pressão dos gases de escape" (7 palavras).

Aí, um belo dia, algum "ser iluminado" da administração vai se dar conta da besteira e soltar a solução genial: "O tradutor precisa ser mais sucinto" ou "Não vamos pagar as preposições". Não que isso tenha acontecido, mas não é difícil que saia da cabeça de algum "diministradô" de agência que nunca traduziu nem "good morning" em sua porca vida.

Isso me lembra aquela piada do caipira que morava lá em Araraquara, no tempo de amarrar cachorro com lingüiça, e na família só tinha palestrino fanático (ou seja, a época da piada é bem antiga). Um dia, o Palestra Italia ia jogar a final do campeonato, e não tinha transmissão de rádio pra lá. O caipira estava doente e mandou o filho pra São Paulo assistir ao jogo. Recomendou: "Ói qui, fio, ocê vai assisti o jogo e dispois manda um telegrama dizendo quanto foi, mais num vai gastá muito co telegrama". Terminado o jogo, o filho manda o seguinte telegrama:

"PPPP".

O pai ficou tristíssimo. O que queria dizer? "Paciência, papai, Palestra Perdeu".

(Pano rápido).

P.S.: Ah, sim, e eles fazem a mesma coisa para traduções de mandarim para português, quando o "estupro financeiro" é MUITO maior.